Técnica de Produção, Reportagem e Redação Jornalística

UFS divulga lista dos Pré-Classificados do Vestibular 2009

Posted in Vestibular by micheletavares on 23/12/2008

Por Andreza Lisboa e Bárbara Nascimento

A CCV é o órgão responsávelpor divulgar a lista dos aprovados no vestibular

O CCV é o órgão responsável por divulgar a lista dos aprovados no vestibular

Uma grande expectativa tomou conta nesta sexta-feira, 19, de 48.000 mil estudantes que estavam à espera da pré-classificação do Concurso Vestibular da Universidade Federal de Sergipe (UFS) para ingresso em 2009. Às 15 horas, as listas dos candidatos pré-selecionados dos campi de São Cristóvão, Laranjeiras e Itabaiana foram divulgadas. Dos 8.890 candidatos somente metade (4.445) conseguirá ocupar as vagas dos 87 cursos oferecidos pela instituição.

Para garantir a vaga, o estudante terá sua média da bateria de provas, referentes aos três anos do ensino médio, somada à nota da redação que é avaliada por uma banca examinadora norteada pelos critérios básicos de produção textual como coesão, coerência, distribuição das idéias.

A preocupação da Coordenação do Concurso Vestibular (CCV) em antecipar a divulgação das listas foi cumprida, apenas oito dias após a última prova do concurso; em outros anos, a diferença chegou a pontuar 12 dias. A CCV e os candidatos também puderam usufruir de mais uma ferramenta nesta divulgação, além do site(www.ccv.ufs.br), a Rádio UFS (FM 92,1), que opera em caráter experimental, também foi parceira na transmissão da pré-classificação.

Segundo a Coordenação do Concurso, a expectativa daqueles que já estão com um pé dentro da universidade deve acabar entre os dias 29 e 30 de dezembro, possíveis datas para o lançamento ao público do resultado final. “Seria bom que o resultado final saísse ainda nesse ano, com certeza diminuiria a ansiedade. Agora, desde quando tenha condição de corrigir a tempo as redações e avaliar direito cada candidato”, disse a pré-classificada do curso de Odontologia Maria Camila Andrade.

Implantação do sistema de cotas sugere divergência de opiniões

Posted in Vestibular by micheletavares on 22/12/2008

Por David Farias e Jackeline Guimarães

A partir do próximo ano, entra em vigor na Universidade Federal de Sergipe (UFS) o sistema de cotas que prevê a oferta de 50% das vagas da instituição para os alunos de escola pública. Destes, 75% dos estudantes que se declararem afro-descendentes, pardos ou indígenas terão direito ao ingresso na universidade com uma pontuação abaixo da média de corte usada para os demais estudantes.

Essa notícia, porém, causou muita discussão, principalmente entre os alunos que pretendem participar do Concurso Vestibular em 2010. E para aqueles que já ingressaram na UFS, o alívio por já ter garantido a vaga na instituição.

Como forma de minimizar a exclusão dos alunos da rede pública, alguns acham que foi uma medida justa, haja vista que boa parte das vagas acabam sendo preenchidas por alunos do ensino privado, cuja equipe pedagógica oferece mais recursos para preparação dos candidatos. Já outros acreditam que a adoção do sistema de cotas servirá apenas para segregar e atenuar a qualidade do ensino da instituição.

Para o estudante de Letras e presidente do Diretório Central do Estudantes (DCE), Nathan Alves, o sistema de cotas é uma medida eficaz, apesar do seu caráter paliativo. “Estamos falando aqui de uma medida que tem um período experimental de dez anos e que trará benefícios, sim. Na Universidade de Brasília(UnB), por exemplo, os estudantes que ingressaram na instituição através do sistema de cotas tiveram desempenho igual ou acima da média, com exceção dos estudantes de exatas. As cotas não querem segregar ninguém, somente dar oportunidade aos que não tiveram”, defende.

Já o estudante do Curso de Comunicação Social, Diógenes de Souza, rebate a estrutura que a UFS possui para assistir aos alunos cotistas.“O processo de inserção das cotas aparenta ser realizado à revelia, de qualquer jeito. Aumenta-se o ingresso dos alunos, em detrimento da assistência estudantil, priorizando apenas a quantidade de alunos que ingressam na instituição, reduzindo, assim, a qualidade do ensino público”, contesta.

Matriculada em uma escola da rede pública da capital, a estudante da 2ª série do Ensino Médio, Adriana Santos, 25 anos, acredita que o sistema de cotas não influenciará no desempenho dos alunos que se utilizarão dele para entrar na universidade. “Só acho que, pelo fato dos estudantes de escolas públicas possuírem uma relativa desvantagem em relação às escolas particulares, eles estão suscetíveis a terem dificuldade em acompanhar os conteúdos acadêmicos, mas nada que a força de vontade e a persistência não superem”, diz.

Com uma visão mais otimista em relação ao projeto, Matheus Guimarães, aluno de uma escola da rede particular de ensino, com tradição em aprovações no Concurso Vestibular, pondera: “Se for mesmo uma medida a curto prazo, acho que é válido, sim. Se só ficar nisso é que não será suficiente. O melhor mesmo seria investir em uma Educação Básica de qualidade”, finaliza.

Vestibular da UFS atrai candidatos de vários estados brasileiros

Posted in Vestibular by micheletavares on 22/12/2008

Por Adriana da Rosa, Laura Borges, Samara Menezes, Marta Costa

O número de alunos provenientes de outros estados brasileiros cresce cada vez mais na Universidade Federal de Sergipe (UFS). A grande oferta de cursos e a baixa concorrência têm atraído estudantes de varias partes do país. Com apenas 40 anos de existência, o vestibular da UFS é escolhido na maioria das vezes por esta ser uma das poucas instituições de ensino superior do país que até então, ainda não tinha aderido ao sistema de cotas.

A facilidade de ser aprovado na Universidade Federal de Sergipe é determinante para que vestibulandos de estados vizinhos escolham o Estado como leito acadêmico. Para alguns alunos  do estado da Bahia, o concurso vestibular oferece grande diversidade de cursos e baixa concorrência. “Na UFS é muito mais fácil de passar, a concorrência é baixa, não existia cotas e a cidade é calma. Além de ser uma ‘Federal’, exalta Allana Rafaela, estudante do 2º período, do Curso de Comunicação Social.

O processo de seleção da Universidade Federal é realizado pela Fundação Carlos Chagas que elabora há anos a prova da instituição. São quatro dias de provas, sendo os três primeiros destinados à realização dos exames relativos ao conteúdo programático do 1º, 2º e 3º anos do ensino médio, e no último dia, os candidatos fazem a prova de redação que tem caráter eliminatório.

Além da ampliação do número de vagas de alguns cursos já existentes, o Concurso Vestibular 2009 da instituição aposta na entrada de novos cursos como Publicidade e Propaganda, Relações Internacionais e AudioVisual. Em uma avaliação realizada pelo Governo Federal, a entidade cresceu 342% desde 2006 quando começou o seu projeto de expansão.

A partir de 2010, a meta é ampliar ainda mais o número de alunos matriculados, pois a Universidade Federal de Sergipe adotará o sistema de cotas como projeto de inclusão social. Do total de vagas ofertadas, 50% serão oferecidas para o sistema de cotas, sendo que 70% deste percentual de cotas será destinado a alunos que se declararem negros, pardos ou índios. O projeto terá validade por dez anos.

Museus aracajuanos apresentam baixos índices de visitação

Posted in Cultura, História by micheletavares on 19/12/2008

Por Carol Correia

Pesquisa: Carol Correia e David dos Santos

 

Museu do Homem Sergipano

Museu do Homem Sergipano

Aracaju, mesmo sendo uma capital pequena, com uma população de pouco mais de 500.000 habitantes, possui mais de 10 museus. Porém, a população, em geral, desconhece a função e a existência deles e tem-se como conseqüência o não-aproveitamento desses espaços.

 

Mas, para que serve um museu? Segundo a definição citada no site da Fundação Casa Rui Barbosa (http://www.casaruibarbosa.gov.br/paracriancas/museu_oquee.asp), “o museu é uma casa de criação onde se preserva a memória de uma cidade, de um país, de uma pessoa, enfim é o lugar de histórias interessantes que nos faz viajar no tempo. Mas, apesar de contar histórias que já aconteceram, o museu é o lugar para pensarmos o presente e refletirmos sobre o nosso tempo”.

 

 Para Raí Ramos, estudante de Artes Visuais e estagiário do Museu do Homem Sergipano, o museu é importante pois ele ‘armazena’ a história de uma sociedade. “É ele quem se encarrega de contar as histórias que não se guardam na memória, conectando o passado e o presente. Assim, conhecer como as coisas evoluíram nos faz dar valor aos nossos antepassados”, explica.

 

Catarine de Souza, estudante de Serviço Social e estagiária do Memorial de Sergipe, também reconhece o valor desta instituição para a sociedade. “Os próprios objetos do museu conseguem informar e tornar o conhecimento interativo”. Para ela, um dos motivos que acarretam a falta de visitas ao museu deve-se à falta de divulgação, mas o grande problema é a falta de conhecimento quanto à importância do museu por parte dos aracajuanos.

 

Museu do Homem Sergipano

 

Museu do Homem Sergipano

Museu do Homem Sergipano

O Museu do Homem Sergipano (MUHSE), fruto dos anseios de professores de Antropologia da Universidade Federal de Sergipe que desejavam divulgar e preservar as memórias do seu estado, hoje possui exposição permanente, além de exposições temporárias durante todo o ano. Seu acervo é constituído de peças provenientes de escavações arqueológicas, como objetos do mobiliário, louças e cerâmica, ou adquiridos por compra e, em sua maioria, por doações. Ele também é composto de fotografias, telas, maquetes e documentações manuscritas, impressas ou bibliográficas.

Durante 2008, o MUHSE ofereceu várias exposições, como a ‘Culturas Pré-Históricas em Sergipe’, exposição comemorativa do aniversário de Aracaju, ‘Índio em Sergipe’, ‘Ciudad Invadida’, ‘UFS – 40 Anos’, ‘Folguedos do Ciclo Natalino’, entre outras. Este ano lançou o projeto ‘Cinema no Museu’ que consiste em exibir filmes, geralmente relacionados à história, no auditório do próprio museu, acompanhados de um palestrante para debater o assunto tratado e responder perguntas.

 

Entretanto, o índice de visitas do Museu do Homem Sergipano é baixo se comparado ao de museus como o Museu Afro-Brasileiro de Sergipe, localizado em Laranjeiras, e ao Museu de Arte-Sacra, localizado em São Cristóvão. A média de visitas mensais do MUHSE é de 98 pessoas (dados de 2008), enquanto o Museu Afro-Brasileiro de Sergipe consegue atingir 1000 visitantes.

 

A grande maioria desse público é constituída de crianças e adolescentes que fazem a visita levados pelas escolas. “Há a presença de poucos universitários, alguns professores, poucos turistas e poucos profissionais liberais, ou seja, pouca gente que não esteja inserida nesse grupo” diz Raí Ramos.

 

Segundo Artur Alexandre Gomes, estudante de Artes Visuais e estagiário do MUHSE, a razão para a existência de um público tão restrito se refere aos recursos de divulgação. “A parte publicitária daqui do museu é limitada à colagem de cartazes pela UFS e por colégios” protesta.

 

Apesar de reclamarem da pouca difusão do museu dentre os aracajuanos, os próprios funcionários reconhecem que sua estrutura é pouco eficiente. “Aqui temos a presença de cupins e bactérias, que danificam as mesas de exposição e até os objetos” apresenta Raí Ramos. “O museu parece apenas uma casa com objetos dentro, não existe nem isolamento entre as peças e o público”, completa.

 

Segundo a coordenadora do MUHSE, Neila Cardoso, uma reforma estrutural está prevista para o ano que vem. “Esperamos que finalmente essa reforma saia do papel para que assim, o museu possa contar melhor a história de Sergipe” diz.

 

Memorial de Sergipe

 

Memorial de Sergipe

Memorial de Sergipe

O Memorial de Sergipe, mantido pela Universidade Tiradentes (UNIT), completará 11 anos de existência em janeiro do ano que vem. Seu acervo de mais de 13 mil peças, constituído em sua maior parte através de doações, é composto de documentos textuais, fósseis, máquinas rudimentares, artesanato, mobiliário, louças, armamentos, medalhas, entre outros objetos.

 

O roteiro de visitação do espaço contém a história da UNIT, Sergipe Pré-Colonial, Personalidades Sergipanas, Cangaço, Segunda Guerra, Rosa Faria, Cotidiano Sergipano, Religiosidade, Artesanato, Folclore e Meios de Comunicação. Além disso, oferece vários conjuntos de objetos como a Coleção Rosa Faria, com pinturas em louças e azulejos, a Coleção Véio, com esculturas em madeira (dentre elas as que entraram para o Guiness Book), a Coleção Vera Ferreira, com objetos relativos ao cangaço e a Coleção José Augusto Garcez, com fósseis e objetos etnográficos.

 

Seu público é bem semelhante ao dos outros museus aracajuanos, porém no Memorial de Sergipe as visitas dos universitários são bastante freqüentes. “Às vezes, grupos grandes das turmas da UNIT vêm aqui para receber a monitoria” diz Catarine de Souza.

 

Memorial da Bandeira

 

O Memorial da Bandeira, outro museu aracajuano, mantido pela Prefeitura de Aracaju, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Esportes (Funcaju), foi inaugurado em 2004 e tem como objetivo divulgar os símbolos cívicos do Brasil República e do Brasil Império. No museu, além de bandeiras, um outro atrativo é o viés diferenciado da História apresentado aos alunos dos ensinos fundamental e infantil que constituem, majoritariamente, o público visitante.

 

 “No colégio nós aprendemos que o Brasil foi descoberto por Pedro Álvares Cabral. Aqui, tentamos abordar o tema de uma maneira diferente: dizemos que ele foi tomado e colonizado pelos portugueses”, explica Bianca de Carvalho, coordenadora do Memorial. Ela revela que o museu também tem problemas quanto ao número de visitas. “Alunos do curso de Museologia da UFS fizeram um trabalho e diagnosticaram que o grande problema da falta de visitas é a pouca divulgação que nós temos”, conta.

 

Apesar das dificuldades, os museus de Aracaju continuam procurando melhorar sua estrutura e exposições. Todos têm projetos de exposições temporárias para 2009. O Museu do Homem Sergipano, por exemplo, pretende continuar com o ‘Cinema no Museu’, realizar um seminário sobre Pré-História, exposições a respeito do Descobrimento do Brasil, do Folclore e dos projetos do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC).

 

Informações:

O Museu do Homem Sergipano está localizado na rua Estância, 228, Centro.

O Memorial de Sergipe está localizado na Av. Beira Mar, 626, 13 de Julho.

O Memorial da Bandeira está localizado na Praça da Bandeira, Centro.

 

 Fotos: Carol Correia

“Ano de centenário é ano de ganhar título!…?”

Posted in Esporte by micheletavares on 19/12/2008

 

 

A frase de um torcedor do Clube Atlético Mineiro resume a expectativa da maior parte dos admiradores de um clube de futebol que está prestes a completar cem anos de fundação. Porém, nem todos os clubes conseguem atingir tal objetivo.

O ano de 2009 será (ou seria) especial para dois tradicionais clubes sergipanos. O Cotinguiba Esporte Clube e o Club Sportivo Sergipe, respectivamente fundados em 10 e 17 de outubro de 1909, completarão um século de história prestada ao esporte em nosso estado.  Entretanto, apesar de representar um marco importante, os clubes não definiram ainda um planejamento muito claro acerca de eventos comemorativos para o próximo ano.

O C.S.Sergipe lançará a camisa comemorativa com o número 100 nas costas, que será utilizada pelo jogador Hugo Henrique, um dos poucos ídolos dos últimos anos do clube. Artilheiro do Campeonato Sergipano de 1999, Hugo criou uma grande identificação com os torcedores do alvi-rubro. Além desta medida, o clube procura reforços, como a contratação do técnico Maurício Simões. Nada diferente dos projetos de pré-temporada que ocorrem a cada virada de ano. Sem ganhar um título há cinco anos e precisando se classificar para a quarta divisão do Campeonato Brasileiro, a torcida do Sergipe espera que o ano do centenário seja coroado com, “pelo menos”, a conquista do campeonato estadual.

 

 

Cotiguiba Esporte Clube

Cotiguiba Esporte Clube

 

Alguns clubes de renome nacional já vivenciaram as expectativas, conquistas e frustrações em uma temporada de comemoração dos cem anos de fundação. A respeito das frustrações, os exemplos mais clássicos foram os do Clube Regatas Flamengo e do Clube Atlético Mineiro. O clube carioca, em 1995, lançou modelos comemorativos de uniformes, a exemplo da camisa “Papagaio de vintém” e um logotipo – “FLA 100” – que estampou as mangas das camisas do time.

Além de montar o chamado “ataque dos sonhos” formado por Sávio, Edmundo e o recém chegado da Europa, Romário, com o objetivo de vencer todos os torneios que disputasse, acabou amargando um ano de jejum em pleno centenário. Frustrações “coroadas” com final do Campeonato Carioca perdida para um arqui-rival, o Fluminense, (com o famoso gol de barriga de Renato Gaúcho), o rubro-negro da Gávea assistiu ao triunfo do Botafogo que conquistou o seu primeiro título do Campeonato Brasileiro.

Trofè da Taça Libertadores da América

Trofè da Taça Libertadores da América

Outro que viveu situação semelhante foi o Galo mineiro. Neste ano o clube reeditou camisas com padrões dos primeiros uniformes do time e contratou atletas de renome, como o sérvio Petkovic e o atacante Marques, ídolo da torcida alvi-negra de Belo Horizonte. Também nada conquistou no ano de seu centenário. O seu maior rival, o Cruzeiro, venceu o campeonato estadual e ainda se classificou para a disputa do torneio continental da Taça Libertadores da América, em 2009.

Entretanto as vitórias também estão presentes nos anos dos centenários. O Clube de Regatas Vasco da Gama, fundado em 1898, venceu a Libertadores no ano de 1998. E o Esporte Clube Vitória, de 1899, ganhou o Campeonato Baiano e o Campeonato do Nordeste, em 1999.

Partindo dos exemplos citados acima, os torcedores de Cotinguiba e Sergipe podem esperar por um ano de conquistas e glórias ou de frustrações e decepções. É só aguardar o desenrolar da próxima temporada. 

 

O Cotinguiba, por sua vez, que disputa a segunda divisão do futebol sergipano, tentará mais uma vez a ascensão ao primeiro escalão do Campeonato Sergipano. Fora isso, não há maiores expectativas ou projetos que traduzam o sentimento envolvido em um ano de centenário.

Por Carlos Vitor e Juacy Júnior

 

Club Sportivo Sergipe

Club Sportivo Sergipe

Grupo de Estudos do Tempo Presente realiza segunda etapa do Cine-História

Posted in Cultura, História by micheletavares on 19/12/2008

Por Camila Moda e Daniele Melo

 

Clima de descontração marcou a segunda etapa do Cine-História, exibido na última terça-feira, 16, para a discussão do tema ‘Um Passeio pelo Nordeste Brasileiro’, através da exibição do filme ‘Narradores de Javé’, que retrata a história de Javé, um povoado do interior da Bahia e a luta de sua gente pela preservação da terra contra a inundação iminente, promovida pela construção de uma represa, mostrando a história de vida de seus habitantes.

 

O cine-história, projeto do Grupo de Estudos do Tempo Presente (GET), consiste na exibição de três filmes que abordam a sua temática nordestina. A primeira exibição ocorreu no dia 25 de novembro, com o filme ‘Baile Perfumado’, a segunda ocorreu na última terça-feira, 16, com o filme ‘Narradores de Javé’, e a terceira e última etapa, ocorrerá no dia 13 de janeiro, com o filme ‘Amarelo Manga’. Todas as exibições acontecem às 15h30, no mini-auditório do Departamento de História, abertas tanto aos estudantes da UFS como para a comunidade em geral.

 

Os filmes foram selecionados pela a organizadora do evento, a professora Valéria Oliveira, juntamente com o coordenador do GET, professor Dílton Maynard. “Levamos em conta o tema nordeste em toda sua extensão, em diferentes contextos, sem especificar cada um deles, trazendo uma visão mais geral”, conta Valéria.  Ela também informou que o Cine-História foi estrategicamente programado, pois em cada mês há somente uma exibição para que a maioria do público estuda e trabalha, e assim ter a possibilidade de um grupo maior nas exibições.

 

Segundo a professora, a idéia de formação do grupo de estudos surgiu de um interesse mútuo entre professores e graduandos do Curso de Historia para refletir história contemporânea a partir da 2ª Guerra Mundial. “A intenção ao promover o cine-história é o de divulgar o GET para seu projeto de extensão do ano que vem, como se essas exibições fossem uma prévia do que está por vir”, conta.

 

“O projeto de extensão traz como tema ‘Cinema e História na sala de aula’, ou seja, a aplicação didática dos filmes que irão ser exibidos. Esse projeto começa em Março de 2009 e vai até Julho do ano que vem. Serão 10 exibições quinzenais, onde após cada apresentação, o professor convidado irá explanar sobre as aplicações didáticas do filme, e em seguida será aberto um debate entre os presentes”, informou Valéria.

 

As reuniões do grupo são quinzenais, sempre às sextas-feiras, no mini-auditório do Departamento de História, às 17h e estão abertas a todos os interessados pela temática do projeto. Maiores informações, com o professor Dílton Maynard, no Departamento de História ou pelo telefone 2105-6740.

O maior festival de marionetes visita Aracaju

Posted in Cultura by micheletavares on 19/12/2008

Por Bianca Oliveira e Marcos Vinicius

Bonecos Mamulengo

Bonecos Mamulengo

 

Bonecos gigantes, bonecos minúsculos, crianças sorrindo, adultos também sorrindo. Foi essa diversidade que permeou as apresentações do “Sesi Bonecos do Mundo”, na Orla de Atalaia durante as tardes e noites dos dias 22 e 23 de novembro. As apresentações promoveram o Teatro de Animação. A variedade de temas é enorme, desde piadas sobre infidelidade, lendas como a do Saci Pererê e até o gótico com alto grau de sensualidade. O ‘Bonecos do Mundo’ mostra que animação e marionetes não é coisa só de criança, os adultos também foram contemplados com uma rica programação. Além das apresentações em si, foram promovidas oficinas, exposições e feiras temáticas.

Na oficina de manipulação de bonecos as pessoas puderam interagir com as marionetes, manipulado-as à sua maneira e ainda ouviram as cantigas entoadas pelo Mestre Divino, um dos mais antigos mamulengueiros pernambucanos e referência para os jovens artesãos. A arte mamulengueira é pouco difundida no Brasil, daí a importância do festival realizado pelo Serviço Social da Indústria (Sesi), além de entreter a população este traz para perto delas uma rica expressão cultural, até então desconhecida para muitos. O nome mamulengueiro significa “mão molenga” o que remete à necessidade de deixar a mão livre, molenga mesmo, dando espaço para os bonecos ganharem vida.

A mega estrutura segue por terra. São quatro carretas e seis caminhões carregando cerca de cem toneladas de equipamentos. Durante todas as edições, o ‘Sesi Bonecos do Mundo’ já foi visto por mais de um milhão de pessoas. As obras foram esculpidas pelas mãos de cerca de mil artesãos. Os bonecos são acionados por mais de quarenta cordéis o que lhes permite movimentar com verossimilhança.

O ‘Bonecos do Mundo’ é um festival patrocinado pelo Sesi e conta como apoio da Petrobras, da Vale do Rio Doce e do Bradesco. Em sua quinta edição, ele deve percorrer seis capitais nordestinas (Recife, Salvador, Aracaju, João Pessoa e Fortaleza). A qualquer pessoa é dada a oportunidade de assistir e aprender um pouco sobre os bonecos, pois tudo é apresentado de graça à população.

Projeto pioneiro expõe mais uma saída para a obtenção de créditos de carbono

Posted in Ciência e Tecnologia by micheletavares on 19/12/2008

Por Nikos Eleftherios e Rafael Freire

 

Em tempos de aquecimento global e, por conseguinte, do Protocolo de Kyoto e do sistema de créditos de carbono, surge uma nova alternativa para os ditos países de terceiro mundo: a descoberta da aglomeração de carbono em formigueiros e a sua obtenção, com um caráter contributivo para o acordo.

Créditos de carbono são certificados que países envolvidos no protocolo, ou outros que queiram seguir o mesmo caminho recebem ao reduzir a quantidade de dióxido de carbono (CO2) emitido na atmosfera. Eles foram criados para suprir a necessidade de países que não conseguiriam cumprir as metas propostas em Kyoto, não prejudicando assim suas economias.

Existem diversas maneiras de se obter estes créditos, que podem ser vendidos para países desenvolvidos por aqueles de menor estatura. Como o Brasil ainda não precisa reduzir suas emissões de gases do efeito estufa, torna-se interessante para ele a venda desses créditos para outros países.

Segundo o Jornal A Tarde (16/12/2008), nosso país está na terceira posição no ranking de países com mais Mecanismos de Desenvolvimento Limpos (MDL), com 262 projetos, ou 8% do total desenvolvido no resto do mundo. O problema é que as empresas não entendem que o mercado de créditos de carbono e a tecnologia limpa são muito lucrativos, e acabam por não investir na procura de novas formas de obtenção.

Com isso, projetos como ‘O papel ecológico das saúvas no sequestro de carbono’, do professor Leandro Souto, do Laboratório de Entomologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), não recebem a atenção necessária, e com a falta de ajuda dos empresários, tanto a pesquisa como o próprio país sofrem reveses.

Para o professor, alguns grupos de insetos, quase sempre, são vistos de forma negativa, como pragas. De certa maneira esta afirmação está correta, pois vários insetos destroem plantações e pastos mundo afora. Mas quando olhados a partir de uma outra perspectiva, principalmente as formigas saúvas da região neotropical (32°N e 33°S), percebemos que estes insetos podem ser a salvação ecológica e econômica de países nesta área.

Segundo a pesquisa do Prof. Leandro Souto, as formigas desse gênero, ao cortarem as folhas e armazená-las em câmaras subterrâneas, as envolve em um fungo cultivado por esses próprios animais. Este fungo dificulta a decomposição, fazendo com que os rejeitos vegetais continuem degradando-se e liberando carbono durante anos, até mesmo após a morte do formigueiro. Esse processo, além de melhorar a qualidade do solo (por manter grandes quantidades de material vegetal no subterrâneo) ao redor do formigueiro, sequestra grande quantidade do gás. Esse sequestro também seria responsável por ajudar a preservar a camada de ozônio.

Esquema representando o possivel papel ecológico das saúvas no seqüestro de Carbono
Esquema representando o possível papel ecológico das saúvas no seqüestro de Carbono

Segundo estimativas, se utilizarmos o preço de US$10 por tonelada de carbono (um crédito de carbono), o rejeito anual de 80 kg por sauveiro, a densidade média de 1,7 colônias por hectare, chega-se ao resultado de 68 milhões de toneladas de carbono anualmente. Isso seria 13% de todo o carbono seqüestrado pela Floresta Amazônica o que daria, em créditos de carbono, 680 milhões de dólares.

É clara a vantagem financeira e ecológica demonstrada aqui através desta pesquisa que hoje é realizada na Universidade Federal de Sergipe. “Estamos começando agora a fase de captação de recursos através da iniciativa privada, pois um projeto pioneiro como esse (já que se conheçe apenas um trabalho similar com cupins, no continente africano), merece uma atenção por parte de todos”, afirma o pesquisador e autor do projeto.

 “São necessários interesse e divulgação por parte da Universidade, para que projetos inovadores e atuais como este recebam o devido interesse público e privado, elevando o nome da instituição e dos nossos pesquisadores, e contribuindo para um melhor desenvolvimento do país, e sendo otimista, até do mundo”, conclui.

Obama conquista a mídia mundial

Posted in Política by micheletavares on 19/12/2008

Por  Pedro Ivo, Barbara  Juliana e Gustavo Costa

obamacapaset9

 

O democrata Barack Obama foi eleito o 44º presidente dos Estados Unidos, cuja eleição concorreu com então republicano John McCain, no último pleito de 5 de novembro deste ano. Ele ocupará a casa branca a partir de 20 de janeiro de 2009, sucedendo o governo Bush.

 

Barack Hussein Obama nasceu em 4 de agosto de 1961, filho de queniano, no qual, herdou o nome, e de Ann Dunhan, uma mulher branca de Wichitas no estado do Kansas. Morou quando criança na Indonésia com a mãe e depois no Havaí com seus avôs maternos. Formou-se em direito na respeitada universidade de Harvard e foi professor e defensor dos direitos civis em Chicago e depois eleito senador por Illinois em 2004.

 

Candidato carismático e com bons discursos, Obama é citado pela mídia e por alguns de seus eleitores como o presidente negro, embora não goste do rotulo, já é assim conhecido pelo mundo. O mundo espera por um novo governante para a maior potência econômica e a imprensa aparece como pedal de uma imagem esperançosa quer fosse McCain ou Obama.

 

O novo presidente assumirá a liderança de um país em caos: recessão (maior desde os anos 80), duas guerras (Afeganistão, Iraque), ameaças de terrorismo. Além disso, o democrata governará num contexto de crise financeira, desemprego e descontentamentos causados por oito anos de Bush republicano.

 

Barack Obama já pensa em medidas rápidas para o plano econômico, com membros de equipe capacitados e interiorizados com a situação, como a nomeação de Timothy Geithner, presidente do Federal Reserve de Nova York para secretário do tesouro e Hillary Clinton que foi sua rival para vaga democrata como secretaria de estado. A principal meta é criar 2,5 milhões de empregos até 2011 e ajuda financeira aos bancos do país.

 

A imagem do novo presidente americano, vinculada por toda mídia internacional, surge como mítica e não convencional como ele mesmo afirmou em seu discurso sobre a questão racial. “É preciso a marcha para um país mais igualitário, compassivo e próspero; desejamos todos nos mover na mesma direção num futuro para nossos filhos e netos”, enfatizou Obama, em matéria publicada pelo Jornal A Folha de São Paulo.

 

Falta pouco menos de um mês, para que Obama assuma a presidência americana e a partir daí novas pautas serão seqüenciadas pela mídia. Entretanto, a questão da supervalorização da imagem do presidente eleito desponta com pauta de discussão entre os profissionais da área.

 

Para o professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Dr. Fernando Barroso, a mídia está divulgando uma boa imagem do presidente Obama. “Por parte da mídia uma há uma grande disponibilidade para se reproduzir uma boa visibilidade de Obama assim como também há muita disponibilidade para se criticar o governo Bush, principalmente em sua fase final reproduzindo a idéia de um final de governo melancólico”, explica.

 

De fato, o relacionamento entre a imprensa e Obama sempre foi bom, tanto que o ex-presidente Bill Clinton, ainda na época em que Obama disputava com Hillary Clinton as prévias do Partido Democrata, afirmou com bastante precisão que ‘Obama fazia campanha em poesia, mas seria obrigado a governar em prosa’. Modesto, Obama não esconde o fato de que poderá enfrentar dificuldades no governo reconheceu.  

Conforme a pesquisa da CNN Opinion Research Corporation, Barack têm o apoio de 79% dos cidadãos consultados, pois estes acreditam que ele vem atuando bem no momento de transição. Apenas 18% dos entrevistados não estão contentes com a atuação do democrata. A taxa de aprovação é de 14 pontos percentuais maior que a do então presidente eleito George W. Bush, em 2001, e 17 pontos maior que a de Bill Clinton em 1992.

 

Obama de fato sempre teve uma boa imagem frente à imprensa. Ele foi capa de revistas em todo mundo, em especial a imagem divulgada pelo jornal Americano The Sun que conseguiu equipara-lo há um ídolo Pop. Outras revistas o aproximaram ainda mais do publico, divulgando seu gosto pelos Rolling Stones, U2, seus filmes favoritos como ‘O poderoso chefão’ e sua admiração por atores como Spencer Tracy, Will Smith, Humphrey Bogart, Meryl Streep e Susan Surandon.

Até a revista Veja declarou-se de maneira sutil pró Obama. Segundo Rosemeire Braga, da revista eletrônica Canal da Imprensa, do Curso de Jornalismo, do Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP) “A semiótica sempre passa ao leitor a imagem de Obama atuante, persuasivo e vitorioso, com mais destaque que os demais. As fotos não são pousadas, mas o contexto é sempre favorável para uma impressão de favoritismo. Em meio ao público, o enfoque das fotografias sempre se dá na expressão do candidato, e as cores azul e vermelha sempre estão associadas ao candidato”, demonstra .

O Center for Media and Public Affairs (Centro de Mídia e assuntos publico), uma instituição que estuda a imprensa nos EUA  divulgou que ele conseguiu a mais positiva das campanhas em relação cobertura noticiosa sobre as principais notícias de rede em 20 anos,em um estudo feito as quatro maiores televisões americanas: ABC; NBC; CBS; Fox. Em suas principais peças televisivas, entre 23 de Agosto e 4 de Novembro, nos telejornais de maior audiência: ‘World News Tonight’, ‘Nightly News’, ‘Evening News’ e ‘Fox Special Report’’. Obama teve 68% de histórias positivas nestas emissoras. Essa pesquisa também ressalta que a NBC foi a mais amigável das quatro redes, com 73 % da cobertura a ser favoráveis. E, por fim, admite que a relação de Obama com a imprensa é um recorde de fixação da imprensa lua de mel.

A quem declare que essa ‘lua de mel’ é repleta de intenções para se obter mais ibope, afinal nada é tão comercializável em termos de newsmaking, como algo que interessa o publico. Conforme uma matéria publicada durante o plantão do Jornal O Globo, em 17 de novembro, a primeira entrevista televisionada de Barack Obama como presidente eleito dos Estados Unidos foi um fenômeno de audiência para o programa ’60 minutes’ da Rede CBS,obtendo os melhores números desde 1999.

 

Em vista disso, pode-se dizer que Obama é fator de audiência para alguns veículos de comunicação em massa. No entanto, a quem enxergue a relação de Obama com a mídia de forma diferente. A doutora Lílian França, professora da UFS afirma que o governo americano já não tem tanta força e que é possível se falar em um pós-americanismo.  “Essa crise atual tem superado até mesmo a crise de 70 onde a economia americana sofreu um grande impacto. Ao contrário daquela época, hoje não existe mais independência entre mercados financeiros. Então, se a economia americana quebra, a economia mundial também, pois há um grande risco de um efeito dominó”, explica.

 

A professora acredita que o governo Obama tem que ser feito num âmbito mais internacionalizado e, por isso, estão sendo feitas muitas reuniões entre lideres no leste europeu. Sobre sua realção com a imprensa, ela afirma: “Não é que a mídia esteja favorecendo a imagem de Obama, mas para que ele possa realmente governar no contexto atual da crise é preciso que se tenha minimamente uma aceitação à Obama”. E, ressalta: “Ele é o primeiro presidente negro num país que possui problemas com racismo e vive num estado de crise tão sério que pode afetar a economia do mundo inteiro. Logo há a necessidade de que a mídia contribua para que ele possa atingir suas metas que para o bem de todos deve ser superada”, pontua Lílian.

 

 

Olimpíadas UFS 2008 encerram nesta quinta-feira

Posted in Esporte by micheletavares on 18/12/2008

Por Mayana Macedo e Matheus Fortes

(Por Igor Oliveira)

(Por Igor Oliveira)

As Olimpíadas UFS 2008 finalizam suas atividades nesta quinta-feira,18, com entrega de prêmios e anúncio do campeão geral. A premiação em dinheiro será concedida por modalidade esportiva . A animação da festa de encerramento ficará por conta das bandas Solamento e Zé Tramela, a partir das 19h, na Concha Acústica da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

As competições do evento esportivo iniciaram no final de outubro e se estenderam até o dia 17 de dezembro com a última competição entre os alunos dos cursos de Educação Física x Administração no Handebol. O evento foi organizado pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) e o Grupo Sporte, composto pelos alunos de Educação Física da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

As Olimpíadas UFS 2008 tiveram como tema ‘Avançando, crescendo e integrando’ e seu grande objetivo foi o incentivo à prática esportiva e à integração entre alunos dos quatro campi (São Cristóvão, Itabaiana, Laranjeiras e Saúde).

Segundo o presidente do DCE, Natan Alves, quase 2.500 pessoas foram inscritas, em um universo de dez modalidades esportivas: judô, futsal, vôlei, vôlei de praia, futebol de campo, atletismo, natação, xadrez e judô. “Além das participações masculinas, houve uma forte presença de participantes femininas em quase todas as modalidades esportivas, exceto no futebol de campo”, disse.

Equipe de Handebol Feminino (Por Igor Oliveira)

Equipe de Handebol Feminino (Por Igor Oliveira)

Sobre a participação do público que prestigioiu o evento, o responsável pelo Grupo Sporte, Igor Oliveira, informou que o futsal feminino foi a modalidade esportiva que atrai o maior número de pessoas. “No geral, o tipo de público que foi prestigiar todas as competições era composto por parentes e amigos dos atletas”, conta.

As Olimpíadas UFS contaram também com o apoio de algumas instituições. “A Petrobrás financiou os árbitros dos jogos; a Secretaria de Saúde contribuiu com 250 camisas; o Banco do Brasil colaborou com 300 camisas; a Secretaria de Estado de Esporte e Lazer cedeu algumas instalações para que as competições fossem realizadas; a Funcaju contribuiu com a cerimônia de encerramento; a UFS contribuiu com material de divulgação, medalhas, troféus e transportes dos atletas do campi de Itabaiana; e a TV Atalaia transmitiu durante seus telejornais os jogos de futsal”,explicou Igor.

Ele também ressaltou que o dinheiro arrecadado nas inscrições foi investido em camisas, gasolina, refrigerantes, táxi, envelope e na premiação dos atletas vencedores. “Fazemos questão de deixar transparente que toda a renda arrecadada com as inscrições foi utilizada para arcar com as despesas do evento”, finaliza.

(Por igor Oliveira)

(Por igor Oliveira)

Confira o desempenho dos cursos que participaram das competições:

– Educação Física: Obteve o maior número de medalhas de ouro (10), mais 11 de prata e 4 de bronze;

– Engenharia Florestal: ficou em segundo lugar com 3 medalhas de ouro, 1 de prata e 1 de bronze;

– Estatística: ficou em terceiro lugar , foram 3 medalhas de ouro, 1 de prata e nenhuma de bronze;

– Matemática: ficou em quarto lugar, foram 3 medalhas de ouro, nenhuma de prata e 3 de bronze;

– Sistemas de Informação:ficou em quinto lugar,foi 1 medalha de ouro, 4 de prata e nenhuma de bronze.