Técnica de Produção, Reportagem e Redação Jornalística

Estudantes interioranos enfrentam dificuldades para frequentar a Universidade

Posted in Uncategorized by micheletavares on 08/11/2010

Foto: Portal Infonet

O cotidiano de estudantes do interior do estado que buscam, na capital, melhoria de vida através da educação.

Por Thaís Guedes

4:15 da manhã. O relógio desperta, indicando o início de mais um dia corrido na vida de Cleanderson dos Santos Santana. Estudante de Jornalismo, Cleanderson mora no interior do estado, na cidade de Itabaiana, e desde que ingressou na Universidade Federal de Sergipe, tem sido obrigado a enfrentar uma verdadeira maratona pra conseguir frequentar diariamente as aulas, já que estas são realizadas em São Cristóvão, aproximadamente 58 quilômetros de Itabaiana. O próximo obstáculo agora é encarar a caminhada de cerca de um quilômetro até Cleanderson chegar ao ponto onde ele e outros estudantes pegam o ônibus que os levam até a universidade.

A volta da universidade não é mais tranquila. Muitas vezes Cleanderson se vê obrigado a sair mais cedo das aulas para garantir um lugar no ônibus, já que quem chega por último acaba tendo que fazer todo o percurso de volta à Itabaiana em pé em um veículo que não se encontra no seu melhor estado. “O transporte não é bom. Os bancos são ruins, às vezes eu venho em pé porque o ônibus é sempre cheio. Chego em casa já tarde, isso quando o ônibus não quebra no meio do caminho, o que já aconteceu algumas vezes”, afirma.

2 horas da tarde e finalmente Cleanderson chega em casa. Mas sua jornada diária ainda está longe de terminar. Mesmo cansado, agora é a vez de exercer suas tarefas de casa, sem esquecer é claro de estudar. “Não tenho tempo para descansar. O cansaço vai acumulando e só me resta esperar o fim de semana”, diz.

Desde que foi fundada, no ano de 1967, a UFS fixou-se no Município de São Cristóvão, região metropolitana de Aracaju. Assim, as esperanças dos jovens sergipanos em conseguir cursar um curso universitário aumentaram. Porém, muitas dessas esperanças se tornaram frustrações, já que a Universidade sempre foi de difícil acesso para os alunos interioranos. Raros tinham a vantagem de possuir parentes na capital, e quando alguns optavam por fixar-se em residências próximas à UFS, na maior parte em repúblicas, as condições de vida  mudavam de acordo com a classe social do estudante, sendo assim apenas os  interioranos das classes mais altas poderiam superar as adversidades e usufruir com facilidade o Ensino Superior.

Em 1990 , a situação dos estudantes do município de Itabaiana começou a melhorar a partir do momento em que a prefeitura local começou a ajudar no transporte dos universitários. Porém, com a possibilidade de transporte mais acessível, o número de universitários crescia a cada ano, gerando assim um déficit no atendimento, fazendo com que a ajuda municipal chegasse ao limite. Foi então que um grupo de estudantes fundou a Associação Itabaianense dos Universitários (A.I.U.) com o objetivo inicial de mobilizar os estudantes frente à sociedade e aos políticos em prol da adesão de mais carros para solucionar os problemas de locomoção até às universidades. Hoje a A.I.U possui 285 associados, que pagam 90 reais por mês para manter os 4 ônibus da associação em funcionamento.

Primeiro ônibus da A.I.U. Foto: Portal da Associação Itabaianense dos Universitários.

“A maior dificuldade pra mim é ter que acordar cedo todos os dias. Até mesmo quando não tenho aula nos primeiros horários, tenho que levantar às 4 horas da manhã, pois dependo desse transporte. Mas pelo menos temos esse meio de locomoção. Antigamente em Itabaiana era tudo mais difícil, dizem que ir para universidade só era possível pela manhã, horário que se conseguia carona”, afirma Leonardo dos Santos, também estudante de jornalismo e que, assim como Cleanderson, faz parte da A.I.U.

Essa é a realidade dos estudantes, que decidiram enfrentar essas dificuldades por terem consciência da importância de um diploma, pelo desejo de ser alguém na vida e muitas vezes pela simples vontade de exercer a tão sonhada profissão. “Eu poderia simplesmente me acomodar, mas não, eu sei que ainda tenho muita coisa que aprender. Ainda posso crescer muito mais”, diz Daniela Fêlix (23), estudante de mestrado da UFS. Apesar de morar em Itabaianinha, Daniela passa grande parte do seu dia na estrada, alega até mesmo estar deixando sua “vida social” de lado. “Não saio mais com amigos, final de semana pra mim é só descanso, mas não tenho muito do que reclamar. Decidi colocar minha futura vida profissional em primeiro lugar, essa é minha prioridade e as consequências não têm me intimidado”.

A Universidade Federal de Sergipe possui algumas políticas de assistência e integração  estudantil que muitos desses universitários interioranos podem contar como auxilio, como por exemplo residência universitária, bolsa trabalho e bolsa alimentação. Estudantes que desejam usufruir desses recursos devem entrar em contato com a Coordenação de Assistência e Integração do Estudante (CODAE). Existem também os estudantes que decidiram fixar-se na capital, para evitar o desgaste diário, como é o caso de Calliane Milena Reis que optou por sair do interior onde habitava e hoje mora em um pensionato em Aracaju. “Como minha cidade é muito distante, ir e voltar todos os dias seria muito cansativo. Achei mais comodidade ficar no pensionato, onde minha única preocupação e dever são com os estudos. A única parte ruim é que fico longe da família e a saudade é constante”, diz.

Mesmo com tantos transtornos, o otimismo é visível no olhar de cada um desses estudantes. A esperança e ambição de garantir um futuro digno através dos estudos são maiores que todas as adversidades encontradas ao longo de suas trajetórias acadêmicas. “Isso me deixa mais forte, pois sei que no futuro meu esforço vai ser recompensado”, encerra Cleanderson esboçando seu sorriso perseverante, de quem acredita que só seu esforço e certas abdicações poderão, no futuro, transformar seus sonhos em realidade.

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Manu said, on 09/11/2010 at 6:03 pm

    Adorei a sua reportagem Thaís, adorei o final falando de Cleo! kkk😀


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: