Técnica de Produção, Reportagem e Redação Jornalística

Goleiro Aquidabãense supera deficiência e atua nas quadras e nos campos

Posted in Esporte by micheletavares on 07/12/2010

Goleiro Aquidabãense supera deficiência e atua nas quadras e nos campos

Por Wallison Oliveira

Atualmente, o Brasil conta com uma população de aproximadamente 191 milhões de habitantes. Deste total, mais de 20 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência física ou intelectual.

Ainda que seja cada vez maior a discussão sobre temas alistados como acessibilidade, direitos básicos, e a inclusão no mercado de trabalho, entre outros, sabemos que muitas pessoas com deficiência continuam sofrendo com o desrespeito e com o devotamento de parte da sociedade.

O esporte vem mostrando ser um importante meio de inclusão social. Não é mais segredo que qualquer pessoa se beneficie com a prática esportiva regular.

Exemplo claro na vida do jovem goleiro, William Oliveira, de 18 anos, natural de Aracaju,criado em Aquidabã-Se, portador de uma deficiência pouco comum nos pés. O esporte trabalhou valores como autoconfiança, auto estima e autonomia, tornando-se um dos grandes goleiros de Aquidabã. Tendo conseguido títulos inéditos tanto para aquela comunidade, como para o estado de Sergipe.

Em pauta ufs-  Em que a sua deficiência poderia atrapalhar na sua carreira esportiva, mediante as suas necessidades?- Não atrapalhou e nem atrapalharia,porque não me considero e nem me vejo como um deficiente, pois sou capaz de fazer qualquer coisa que outra pessoa comum faz.

Em pauta ufs- Já passou em sua mente que o esporte poderia ser apenas um sonho?- Assim, no momento em que entrei no esporte eu não acreditava que  poderia seguir em frente, porque pensava que não era possível entrar. Foi tudo por acaso. Eu gostava de ver o futebol, e meus pais poderiam acreditar que tinha capacidade de correr com a bola, e a partir do momento em que eu vi que era possível, comecei a gostar mais do futebol, fui praticando e me desenvolvendo cada vez mais.

Em pauta ufs- Como toda criança que se tem um sonho de praticar esportes, você sonhava em praticar esportes, mesmo sabendo das dificuldades?- Sim, e graças aos meus sonhos e objetivos consegui chegar onde eu estou hoje.

Em pauta ufs- Como foi lidar com a deficiência na infância?-Na infância, eu não tinha o pensamento que tenho hoje sobre preconceito. Muitos não acreditavam que eu poderia chegar onde cheguei na questão do esporte, mas a gente tem que mostrar e superar os nossos próprios limites, e isso é possível com a prática esportiva.

Em pauta ufs- Quando você se deu conta que era possível praticar esportes? Quando se iniciou?- A minha prática esportiva na questão do brincar, começou entre seis e sete anos. Já no esporte amador que é aquele que fica marcado para todos e principalmente para mim, começou em 2007. Quando me dei conta já estava envolvido no esporte, com grande capacidade até de amadurecimento.

Em pauta ufs- Contou com o apoio dos seus familiares?- Sim, pois no momento em que eu estava jogando em algum time da cidade e recebia uma proposta para jogar em um determinado time de futebol da cidade minha família sempre me deu apoio. Se alguém tem o sonho de seguir a carreira de futebol, deve saber que pode realizar seus sonhos, mesmo sabendo das dificuldades.

Em pauta ufs- Quais pessoas contribuiram  para a realização do seu sonho?-Em primeiro lugar minha família, a segunda base de apoio são os amigos, e principalmente aqueles que acreditaram. Também alguns diretores de futebol, entre eles Valdileno, que foi quem me lançou no futebol, e também sempre incentivou pessoalmente.

Em pauta ufs- Sentiu alguma discriminação no início? E atualmente? -No início, o principal preconceito que eu sentia foi à questão aos atletas, pois muitos não se sentiam bem, em perder a vaga de titular para um deficiente, então, me sentia um renegado devido a essa questão, pois eles pensavam que eu não era capaz por ser deficiente, e atualmente eu não vejo ninguém com discriminação, mas eu sei que tenho capacidade de praticar esportes, assim como qualquer outra pessoa normal, apesar das dificuldades.

Em pauta ufs- Como aconteceram os processos de superação?- Bom, o processo de superação acontece quando a gente sonha e acredita que tem capacidade, e ter principalmente força de vontade para correr atrás dos nossos sonhos, entre os títulos, um de melhor goleiro do campeonato.

Em pauta ufs- Qual foi a sua sensação quando se deparou com o mundo esportivo mediante a sua superação? – A partir do momento em que comecei a ganhar títulos por vários times de Aquidabã. Daí eu pude perceber que era realmente capaz de ser um atleta.

Em pauta ufs- Já se sentia um vitorioso?- Não, porque muitas pessoas não acreditavam no meu potencial.

Em pauta ufs- Ser goleiro era a sua paixão, ou foi por acaso?- Começou por acaso assistindo o futebol na televisão e vendo o meu ídolo Marcos do Palmeiras jogar, e quando eu ia jogar com os meus amigos me colocavam no gol, então comecei a gostar, e me sair bem como goleiro.

Em pauta ufs- Após a superação, quais clubes fazem parte da sua história?-  Em primeiro lugar o São Paulo de Aquidabã que me acolheu, e em segundo o Força Jovem que me acolheu, e em segundo o força jovem que mim incentivou tanto no esporte como na minha vida pessoal. E também clubes de futsal como o Milan, onde joguei pela primeira vez em um campeonato. Também joguei pelo São Raimundo, onde foi minha despedida.

Em pauta ufs- Coleciona títulos? Em que modalidades?- Sim. As modalidades que coleciono títulos são: futebol, futsal e handball.

Em pauta ufs- Quais dessas categorias você mais se identifica?- Por quê?- No campo eu era goleiro reserva, não tive tanta oportunidade , e no futsal fui revelado, então a modalidade que mais gosto é o futsal.

Em pauta ufs- Pratica outras modalidades? Quais?- Além das outras modalidades, uma que gosto muito é o vôlei, na questão de brincadeira com os amigos.

Em pauta ufs- Qual ou quais são as suas maiores vitórias?-  Em primeiro lugar, a minha maior conquista é em saber que sou deficiente e fui capaz de superar os obstáculos com grande ajuda do esporte. Outra grande alegria é em saber que não estou na categoria para deficientes, isso não é preconceito, e sim satisfação em saber que posso contar com o apoio dos meus amigos e familiares, pois acreditaram em mim, dando oportunidade para que pudesse mostrar meu talento.

Em pauta ufs- Qual foi a sua maior conquista dentro dos campos ou das quadras?- A que mais marcou foi no futsal. Quando fui campeão de um campeonato sub-15 , pois em primeiro lugar não acreditavam no time, e em segundo lugar no goleiro que era eu, e conseguimos ganhar o título, fui eleito o melhor goleiro. Também recebi uma medalha por ter feito o gol mais bonito do campeonato, o famoso gol de ‘’quebradinha’’.

No futebol de campo, meu time ficou em segundo lugar. Já em 2009 fui escolhido como o melhor goleiro da cidade, ganhando até para atletas profissionais.

Em  pauta ufs – Você já foi chamado por algum time de outro estado?- Sim, fui chamado pelo Villa Real e o cruzeiro, ambos de Alagoas, mas devido aos estudos não fui.

Em pauta ufs- Você se considera um exemplo de superação?-sim, porque passei por todas dificuldades, e mostrei a que não acreditavam em mim.

Em pauta ufs- Hoje qual a mensagem que você deixa para as pessoas que não acreditam que é possível supera as próprias dificuldades e realizarem os seus próprios sonhos?- A mensagem que eu quero deixar é que a gente não tem dificuldades, temos obstáculos, pois a cada momento que caímos, devemos ter força para levantar e conquistar os nossos objetivos.

Por Wallison Oliveira

Atualmente, o Brasil conta com uma população de aproximadamente 191 milhões de habitantes. Deste total, mais de 20 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência física ou intelectual.

Ainda que seja cada vez maior a discussão sobre temas alistados como acessibilidade, direitos básicos, e a inclusão no mercado de trabalho, entre outros, sabemos que muitas pessoas com deficiência continuam sofrendo com o desrespeito e com o devotamento de parte da sociedade.

O esporte vem mostrando ser um importante meio de inclusão social. Não é mais segredo que qualquer pessoa se beneficie com a prática esportiva regular.

Exemplo claro na vida do jovem goleiro, William Oliveira, de 18 anos, natural de Aracaju,criado em Aquidabã-Se, portador de uma deficiência pouco comum nos pés. O esporte trabalhou valores como autoconfiança, auto estima e autonomia, tornando-se um dos grandes goleiros de Aquidabã. Tendo conseguido títulos inéditos tanto para aquela comunidade, como para o estado de Sergipe.

Em pauta ufs-  Em que a sua deficiência poderia atrapalhar na sua carreira esportiva, mediante as suas necessidades?- Não atrapalhou e nem atrapalharia,porque não me considero e nem me vejo como um deficiente, pois sou capaz de fazer qualquer coisa que outra pessoa comum faz.

Em pauta ufs- Já passou em sua mente que o esporte poderia ser apenas um sonho?- Assim, no momento em que entrei no esporte eu não acreditava que  poderia seguir em frente, porque pensava que não era possível entrar. Foi tudo por acaso. Eu gostava de ver o futebol, e meus pais poderiam acreditar que tinha capacidade de correr com a bola, e a partir do momento em que eu vi que era possível, comecei a gostar mais do futebol, fui praticando e me desenvolvendo cada vez mais.

Em pauta ufs- Como toda criança que se tem um sonho de praticar esportes, você sonhava em praticar esportes, mesmo sabendo das dificuldades?- Sim, e graças aos meus sonhos e objetivos consegui chegar onde eu estou hoje.

Em pauta ufs- Como foi lidar com a deficiência na infância?-Na infância, eu não tinha o pensamento que tenho hoje sobre preconceito. Muitos não acreditavam que eu poderia chegar onde cheguei na questão do esporte, mas a gente tem que mostrar e superar os nossos próprios limites, e isso é possível com a prática esportiva.

Em pauta ufs- Quando você se deu conta que era possível praticar esportes? Quando se iniciou?- A minha prática esportiva na questão do brincar, começou entre seis e sete anos. Já no esporte amador que é aquele que fica marcado para todos e principalmente para mim, começou em 2007. Quando me dei conta já estava envolvido no esporte, com grande capacidade até de amadurecimento.

Em pauta ufs- Contou com o apoio dos seus familiares?- Sim, pois no momento em que eu estava jogando em algum time da cidade e recebia uma proposta para jogar em um determinado time de futebol da cidade minha família sempre me deu apoio. Se alguém tem o sonho de seguir a carreira de futebol, deve saber que pode realizar seus sonhos, mesmo sabendo das dificuldades.

Em pauta ufs- Quais pessoas contribuiram  para a realização do seu sonho?-Em primeiro lugar minha família, a segunda base de apoio são os amigos, e principalmente aqueles que acreditaram. Também alguns diretores de futebol, entre eles Valdileno, que foi quem me lançou no futebol, e também sempre incentivou pessoalmente.

Em pauta ufs- Sentiu alguma discriminação no início? E atualmente? -No início, o principal preconceito que eu sentia foi à questão aos atletas, pois muitos não se sentiam bem, em perder a vaga de titular para um deficiente, então, me sentia um renegado devido a essa questão, pois eles pensavam que eu não era capaz por ser deficiente, e atualmente eu não vejo ninguém com discriminação, mas eu sei que tenho capacidade de praticar esportes, assim como qualquer outra pessoa normal, apesar das dificuldades.

Em pauta ufs- Como aconteceram os processos de superação?- Bom, o processo de superação acontece quando a gente sonha e acredita que tem capacidade, e ter principalmente força de vontade para correr atrás dos nossos sonhos, entre os títulos, um de melhor goleiro do campeonato.

Em pauta ufs- Qual foi a sua sensação quando se deparou com o mundo esportivo mediante a sua superação? – A partir do momento em que comecei a ganhar títulos por vários times de Aquidabã. Daí eu pude perceber que era realmente capaz de ser um atleta.

Em pauta ufs- Já se sentia um vitorioso?- Não, porque muitas pessoas não acreditavam no meu potencial.

Em pauta ufs- Ser goleiro era a sua paixão, ou foi por acaso?- Começou por acaso assistindo o futebol na televisão e vendo o meu ídolo Marcos do Palmeiras jogar, e quando eu ia jogar com os meus amigos me colocavam no gol, então comecei a gostar, e me sair bem como goleiro.

Em pauta ufs- Após a superação, quais clubes fazem parte da sua história?-  Em primeiro lugar o São Paulo de Aquidabã que me acolheu, e em segundo o Força Jovem que me acolheu, e em segundo o força jovem que mim incentivou tanto no esporte como na minha vida pessoal. E também clubes de futsal como o Milan, onde joguei pela primeira vez em um campeonato. Também joguei pelo São Raimundo, onde foi minha despedida.

Em pauta ufs- Coleciona títulos? Em que modalidades?- Sim. As modalidades que coleciono títulos são: futebol, futsal e handball.

Em pauta ufs- Quais dessas categorias você mais se identifica?- Por quê?- No campo eu era goleiro reserva, não tive tanta oportunidade , e no futsal fui revelado, então a modalidade que mais gosto é o futsal.

Em pauta ufs- Pratica outras modalidades? Quais?- Além das outras modalidades, uma que gosto muito é o vôlei, na questão de brincadeira com os amigos.

Em pauta ufs- Qual ou quais são as suas maiores vitórias?-  Em primeiro lugar, a minha maior conquista é em saber que sou deficiente e fui capaz de superar os obstáculos com grande ajuda do esporte. Outra grande alegria é em saber que não estou na categoria para deficientes, isso não é preconceito, e sim satisfação em saber que posso contar com o apoio dos meus amigos e familiares, pois acreditaram em mim, dando oportunidade para que pudesse mostrar meu talento.

Em pauta ufs- Qual foi a sua maior conquista dentro dos campos ou das quadras?- A que mais marcou foi no futsal. Quando fui campeão de um campeonato sub-15 , pois em primeiro lugar não acreditavam no time, e em segundo lugar no goleiro que era eu, e conseguimos ganhar o título, fui eleito o melhor goleiro. Também recebi uma medalha por ter feito o gol mais bonito do campeonato, o famoso gol de ‘’quebradinha’’.

No futebol de campo, meu time ficou em segundo lugar. Já em 2009 fui escolhido como o melhor goleiro da cidade, ganhando até para atletas profissionais.

Em  pauta ufs – Você já foi chamado por algum time de outro estado?- Sim, fui chamado pelo Villa Real e o cruzeiro, ambos de Alagoas, mas devido aos estudos não fui.

Em pauta ufs- Você se considera um exemplo de superação?-sim, porque passei por todas dificuldades, e mostrei a que não acreditavam em mim.

Em pauta ufs- Hoje qual a mensagem que você deixa para as pessoas que não acreditam que é possível supera as próprias dificuldades e realizarem os seus próprios sonhos?- A mensagem que eu quero deixar é que a gente não tem dificuldades, temos obstáculos, pois a cada momento que caímos, devemos ter força para levantar e conquistar os nossos objetivos.

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Wendson Oliveira said, on 15/12/2010 at 8:00 am

    Uma abordagem muito legal, reportagem bem produzida. Além disso, a escolha de um temai muito importante: SUPERAÇÃO


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: