Técnica de Produção, Reportagem e Redação Jornalística

As dúvidas persistem após o vestibular!

Posted in Vestibular by micheletavares on 10/12/2010

Estudante Ana Cláudia Batista dos Santos, ingressou na Universidade Federal de Sergipe para cursar Ciências Sociais, arrependia, volta a fazer vestibular, dessa vez para o curso de Direito.

Por: Iargo Souza.

Nos dias 05, 07,08, e 09 de dezembro, ocorreram em Aracaju as provas do vestibular 2011da Universidade Federal de Sergipe. Durantes esses dias alunos testaram seus conhecimentos na disputa das 5260 vagas dos 95 diferentes cursos que a Universidade oferece. Nessa época é comum vermos em reportagens depoimentos de alunos

Ana Cláudia, atualmente estudante de Ciências Sociais. Foto: Arquivo pessoal.

apreensivos com a chegada do grande momento, dicas de profissionais para controlar o nervosismo e conselhos de professores para a realização de uma boa prova.

Mas e quem já passou por esse processo? Será que os alunos aprovados no vestibular anterior estão satisfeitos com sua escolha e com a Universidade? O choque da “vida adulta” é imenso e muitos estudantes enfrentam grandes dificuldades. Além disso, em muitos casos as dúvidas em relação à escolha da profissão não acabaram junto com o processo seletivo.

A estudante de Ciências Sociais Ana Cláudia Batista Souza conta ao Em Pauta UFS como foi para ela a escolha do curso, as primeiras impressões que teve da Universidade, e o porquê de está fazendo vestibular novamente.

Em Pauta UFS: Como foi, para você, a escolha do curso?

Ana Cláudia: Então, foi difícil. Porque eu não tinha uma ideia do que iria fazer ainda, eu só sabia que não seria na área de exatas, nem da saúde, mas tinham muitos outros cursos para eu decidir. Fiquei muito confusa, como eu gostava muito de sociologia e se tratava de ciências humanas eu resolvi fazer porque achei que era legal.

Em Pauta UFS: E quando foi que você resolveu fazer Ciências Sociais?

Ana Cláudia: Foi no último momento, no último dia de inscrições. Bom, eu fiz PSS (Processo Seletivo Seriado), dessa forma no primeiro ano eu não estava certa do que queria, mas ainda tinham dois anos para escolher. No segundo ano a mesma coisa, ainda havia um ano para eu me decidir, aí no terceiro ano eu ainda estava meio indecisa, ficou para última hora mesmo.

Em Pauta UFS: Na escolha do curso, o que pesou mais? Foi sua afinidade com a área ou um possível retorno financeiro?

A.C: No meu caso foi afinidade com a área mesmo, porque nesse curso não há um retorno financeiro tão bom, e como eu disse eu gostava de sociologia, juntou uma coisa com a outra e eu resolvi fazer.

Em Pauta UFS: Na escola onde você estudava, havia algum tipo de orientação vocacional?

A.C: Havia, havia sim. Mas cada vez que eu fazia o teste dava um resultado diferente. Então eu fiquei na mesma confusão.

Em Pauta UFS: Sua família influenciou na escolha do curso?

A.C: Não, minha família é tranquila. Eles deixaram tudo por minha conta, pela minha responsabilidade.

Em Pauta UFS: Geralmente os alunos idealizam a Universidade, influenciados pelo cinema e relatos de veteranos. E você, como você imaginava a Universidade?

A.C: Eu não tinha muito bem uma imagem formada de como seria a Universidade. Nem procurei conhecer veteranos para saber. Mas, foi muito diferente daquilo que eu imaginava. Foi uma coisa meio assim…

Em Pauta UFS: E quais foram suas primeiras impressões da Universidade? Dos professores, dos colegas, do ambiente?

A.C: As primeiras sensações foram legais. A primeira semana foi uma “calourada”. Teve um monte de coisas legais, mas aí, a partir da segunda semana quando começou a “pegar”, aí ficou triste.

Em Pauta UFS: Em relação ao seu curso (Ciências Sociais), suas expectativas foram alcançadas?

A.C: Então, o curso… O curso é legal, não é tanto quanto eu imaginava no ensino médio, mas o que eu acho que mais me desestimulou no curso foram os professores. E também a questão de ter um mercado amplo, mas que é voltado para a área acadêmica, para pesquisa e isso não me atrai.

Em Pauta UFS: Você fala dos seus professores, sendo assim, qual a diferença que você sente entre seus antigos professores (ensino médio) e agora? No geral, qual a diferença entre a rotina do ensino médio e da Universidade?

A.C: Olha, eu não encontrei muita diferença não. Tem que estudar um pouco mais, obviamente, e fazer as coisas mais elaboradas. Mas, não tem muita diferença não.

Em Pauta UFS: Você já pensou em trancar ou desistir do curso?

A.C: Já pensei em fazer tudo com o curso… Em trancar, abandonar, tentar transferência interna, e agora estou fazendo vestibular de novo.

Em Pauta UFS: Você esta fazendo vestibular para que curso?

A.C: Direito.

Em Pauta UFS: Fazendo vestibular para Direito, como saber que agora é o curso certo, que é o que você realmente quer?

A.C: Bom, eu não sei se estou tomando a decisão certa, mas, eu espero que esteja.

Porque, a partir do momento que eu entrei na Universidade comecei a conhecer pessoas de outras áreas e mesmo antes eu já queria fazer direito, não fiz não sei por quê. E aí passei a gostar ainda mais de direito, fiz umas matérias do curso, interessantes. Além disso, é o único curso que me agrada que não Ciências Sociais, já que eu não quero Ciências Sociais vai ter que ser ele.

Em Pauta UFS: E qual foi a maior dificuldade que você encontrou na Universidade?

A.C: Poxa, a maior dificuldade… Bom, não há uma grande dificuldade, você tem que comprar muitos livros, tirar muita Xerox, estudar “pra caramba”. Mas não há uma dificuldade gigantesca.

Em Pauta UFS: Agora já estamos no fim do seu segundo período, já se passou quase um ano desde o seu ingresso na UFS (turma 2010.1), o que você faria de diferente?

A.C: Com certeza eu teria estudando muito mais e teria feito Direito no primeiro vestibular que eu fiz.

Vestibular: ninguém disse que crescer seria uma tarefa fácil

Posted in Comportamento, Educação, Vestibular by micheletavares on 26/10/2010

Em todo o país milhares de estudantes enfrentam o impasse de determinar o rumo da sua vida profissional.

Por Maíra Araújo

É chegada a hora em que a cabeça do futuro universitário se torna alvo de uma dúvida que atinge a grande maioria: a escolha da carreira que vai seguir.  Nesse momento muitas coisas precisam ser postas na mesa para ponderar a situação. Primeiro é necessário que o estudante perceba com qual área ele se identifica, afinal o mercado dispõe de inúmeras delas. Essa resposta ele pode conseguir no dia a dia dos seus estudos, percebendo qual a matéria que ele mais gosta e com a qual se sente melhor estudando.

A partir dessa percepção é que ele pode direcionar para qual curso ele vai concorrer. Por exemplo, um aluno que normalmente prefere estudar química ou matemática tem mais chances de futuro em cursos como as Engenharias. Já aquele estudante que se identifica mais com história e português tende a procurar fazer cursos como Direito, Letras ou Comunicação Social. Posteriormente é que o aluno tende a pensar no lado rentável da profissão, pois no mercado de trabalho tem carreiras que o retorno financeiro é mais rápido que em outras.

(Foto: Arquivo pessoal)

(Foto: Arquivo pessoal)

“As possibilidades de trabalho no futuro e a afeição com as matérias me fizeram escolher o meu curso. Eu só  consigo me ver fazendo isso. Mas  também pesou a questão financeira, pois eu acho que a gente deve escolher uma profissão que tanto dê prazer quanto retorno financeiro”, disse o aluno Victor Emanoel Souza, que já está decidido a prestar vestibular para o curso de Medicina.

 

(Foto: Arquivo pessoal)

Já o aluno Adolfo Meneses confessa que para ele foi uma escolha difícil, visto que sua  primeira vontade era cursar Medicina, mas resolveu mudar para Odontologia, sua segunda opção, por  conta da alta concorrência do primeiro, mas também pela identificação com o segundo.

Antigamente a carreira era tida como um fardo que você era obrigado a carregar, ou seja, escolheu está escolhido e não tem mudança. Hoje não é mais assim. Faz tudo parte de um contexto, de um sentido, e é onde a pessoa vai começar a traçar sua vida. Essa escolha não precisa ser um fato consumado. Em algumas instituições a escolha do curso em si não é feita no momento da inscrição. O aluno se inscreve em Comunicação Social, por exemplo, e depois de dois anos é que ele vai aprofundar o seu estudo em Jornalismo, Publicidade ou Radialismo. Por um lado isso é bom para aquele estudante que ainda não sabe ao certo o que fazer. Por outro pode prejudicar uma decisão que se fosse feita com convicção no começo iria formar um profissional que teve melhor aproveitamento do curso. Mas qual seria o momento certo para optar por determinado curso? De certa forma a resposta para essa pergunta é relativa. Muitos estudantes deixam pra decidir em cima do momento da inscrição, mas a grande maioria decide algum tempo antes. “A opção feita já vem de um trabalho anterior quando ele começa a se destacar em determinadas disciplinas. Então o aluno chega ao ensino médio, principalmente no terceiro ano que é o ano decisivo, já sabendo o que quer. Setenta por cento dos nossos alunos já entram no ensino médio decidido”, ressalta Jairton Guimarães, diretor geral do Colégio Ideal.

É indiscutível que esse é um passo muito delicado na vida do vestibulando. Para passar por essa fase ele precisa encontrar total apoio na família, independente da decisão que vai ser tomada. É dever da escola acompanhar de perto   a situação e orientar os pais e familiares para que eles não interfiram, mas sim que apóiem os seus filhos.

Muitas vezes os familiares procuram um acompanhamento psicológico, que pode ser encontrado na própria escola ou fora dela. Os psicólogos trabalham com o chamado teste ou orientação vocacional. Porém esse teste não é uma resposta à dúvida do aluno, ele funciona muito mais como um auxílio que faz o vestibulando ver sobre determinados pontos a qual área ele está mais apto. De forma alguma essa orientação pode condicionar o querer e o gosto por essa ou aquela graduação.

A sensação de dúvida pode acompanhar uma pessoa não só durante a escolha do curso, mas também na sua vida acadêmica. Não é só pelo fato de o estudante ter ingressado na faculdade que ele irá se sentir realizado. Muitos dos que já estão dentro do ensino superior questionam se de fato sentem-se satisfeitos. Tal satisfação pode ser vigorada por meio de diálogos com pessoas mais próximas, com profissionais já consolidados no mercado de trabalho ou pelo método do teste vocacional. O importante é que no final de tudo não restem incertezas para que tenhamos profissionais qualificados no mercado, independente da área que lhe pareceu mais atrativa.

Teste vocacional: http://www.oportaldosestudantes.com.br/testevoc.asp

Depois da aprovação, começa uma nova jornada…

Posted in UFS, Vestibular by micheletavares on 22/01/2009

Por Allana Rafaela e Joane Mota

Euforia, emoção e sensação de dever cumprindo. Essas são algumas das impressões sentidas pelos 4.455 aprovados no Processo Seletivo Seriado 2009 (PSS/2009) da Universidade Federal de Sergipe (UFS), que ocorreu de 7 a 10 de dezembro de 2008.

 

Foram contabilizados pela Coordenação de Concurso Vestibular (CCV) mais de 48.000 mil candidatos inscritos, destes 25.096 disputaram 4.455 vagas distribuídas em 87 cursos, número que já retrata a política d e ampliação da UFS. De acordo com o CCV na edição anterior, o número de vagas oferecido era de 4.070 distribuídas em 82 opções de cursos.

 

O segundo passo depois da aprovação do PSS/2009 é a realização da matricula institucional, o calouro deve comparecer ao Restaurante Universitário (Resun), com a documentação necessária para efetivar seu vinculo com a Instituição. Um fato muito curioso que acontece todos os anos são os problemas com perda do prazo ou documentação incompleta, muitos calouros encontram problemas devido a falta de atenção com o que é pedido para a matrícula.

 

Para o diretor do DAA, Antônio Edilson do Nascimento, esse problema é rotineiro, além disso, há também os que disistem da vaga, só na edição anterior foram mais de cem desistentes. “Temos muitos casos de pessoas que passaram em outro vestibular ou mesmo em outra Instituição, um exemplo a ser notado são os aprovados no vestibular a distância que agora passaram no vestibular presencial, o que poderá ocasionar em uma migração dos alunos”, destaca.

 

Nascimento ainda ressalta que esse êxodo de alunos nem sempre ocasiona em ofertas de vagas, pois muitos cursos da UFS funcionam com a média de alunos bem acima do normal. Ele ainda lembra daqueles alunos que fazem o vestibular para o mesmo curso só para revitalizar o currículo. “Só neste ano foram cerca de 500 alunos que prestaram o vestibular tanto aqui como em Itabaiana, o objetivo destes alunos é limpar o currículo ou mudar de curso simplesmente”, enfatiza Nascimento.

 

Foi assim que o aluno do 3º período do curso de Museologia, do Campus de Laranjeiras, e agora calouro do curso de Artes Visuais, no Campus de São Cristovão, Josué Cruz de Azevedo, resolveu prestar novo vestibular. Segundo ele, a mudança para Artes Visuais aconteceu por se identificar mais com o curso e por morar próximo ao Campus de São Cristovão. “Acho que agora acertei na escolha e vou aproveitar a chance que consegui com minha aprovação no novo curso”, destaca ex-aluno de Museologia e mais novo calouro de Artes Visuais da UFS.

 

Segundo o DAA, a matricula institucional para os aprovados no Processo Seletivo 2009 acontece nos dias 20, 21 e 22 de janeiro, no Restaurante Universitário (Resun), das 8h às 12h e das 13h às 17h, e os alunos devem comparecer munidos dos documentos determinados no edital do PSS/2009.

 

 

 

E no primeiro dia de matrícula?

 

Na primeira manhã de matrículas do PSS/2009 aconteceu o esperado, aquela correria habitual de todos os anos, calouros nervosos e ávidos por informação. E para conter essa movimentação, o DAA resolveu implantar nesta edição um sistema de senhas, e assim garantir a ordem no momento da matrícula. Para as servidoras contratadas pelo DAA, Rosângela da Silva e Janaina Freitas, o método está funcionando e a matricula segue sem maiores problemas.

 

Fernanda Góis, também servidora contratada do DAA, concorda e destaca que os únicos problemas encontrados até o momento foram na documentação dos calouros, mas destaca que o DAA espera a efetivação de matrícula de 1200 aprovados só no primeiro dia. “Muitos estão voltando devido a problemas nos documentos, se houver uma única letra diferente em algum dos documentos a matricula pode ser efetuada. Houve até alunos que tiveram que voltar e tirar uma nova carteira de identidade”, informa  Fernanda.

 

Para o baiano de Brumado, Nelson José Bonfim Dantas, aprovado no curso de Engenharia Elétrica – Habilitação em Eletrotécnica, o sistema de senhas para realizar a matrícula está funcionando, ele diz que o sistema organiza o atendimento e ajuda a esconder sua ansiedade em realizar a matrícula. “Estou muito feliz com minha aprovação, principalmente por que venho de longe e espero aproveitar muito a oportunidade de estudar em uma Universidade Federal”, expõe o calouro do curso de Engenharia Elétrica.

 


Excedentes
Para aqueles que estão torcendo para sair a lista de excedentes, o DAA informou que no dia 2 de fevereiro será divulgada em sua página na internet (http://www.daa.ufs.br), a 1ª relação de excedentes convocados para ocupar vagas de desistentes dos campi de São Cristóvão, Saúde e de Laranjeiras.
 
 

 

 

 De acordo com o diretor do DAA, Antônio Edilson do Nascimento, os sortudos terão até o dia 6 de fevereiro para realizar a matrícula institucional. Nascimento acrescenta que para o campus de Itabaiana a relação dos excedentes só sairá no dia 30 de março. Os convocados a preencher as vagas terão até o dia 3 de abril para realizar sua matrícula.

 

 

Universidade Federal de Sergipe renova seus cursos e infraestrutura

Posted in UFS, Vestibular by micheletavares on 22/01/2009

Por Aryane Henriques de Lima

A maioria das universidades já acatou o sistema de cotas nos vestibulares. Este ano, a UFS não adquiriu, mas adotou para o ano de 2010 o processo de cotas para o projeto de inclusão social, o que dificultará a seleção natural dos candidatos. As vagas serão oferecidas com um sistema de 50% das vagas para cotas. No qual desses 50%, 70% será destinadas aos alunos que se declararem negros, pardos ou índios. Esse projeto terá validade por dez anos.

Para o ano de 2009, a UFS ofereceu 87 opções de cursos de graduação, que contam com mais de 48.000 mil candidatos que se inscreveram para o Concurso Vestibular, sendo que desse total, 25.096 disputaram as 4.455 vagas disponibilizadas. A entidade amplia nos últimos anos cursos, vagas e a própria estrutura, criando novas didáticas, novos espaços, dentre outros.

No vestibular do ano corrente foram inseridos novos cursos como Publicidade e Propaganda, Áudio Visual, Relações Internacionais, Biblioteconomia e Documentação, Engenharia da Computação e Ciências Atuariais.

O processo de seleção da UFS é realizado pela Fundação Carlos Chagas que elabora as provas da instituição. O vestibular é realizado em quatro dias, sendo três dias de provas objetivas relacionadas aos assuntos de 1º, 2º, 3º anos e um dia para produção da redação que tem caráter eliminatório.

No ano de 2008, a Universidade Federal de Sergipe completou 40 anos de existência, e de acordo com uma pesquisa realizada pelo governo do estado a instituição cresceu 34% desde 2006 quando começou o seu embalado projeto de expansão, o qual, agora, basta saber se tudo ocorrerá de maneira correta e se agradará a todos os seus estudantes e funcionários.

No entanto, em contraste com todo esse processo de inovação e expansão da UFS, vem à tona alguns questionamentos voltados a sua infraestrutura. É bem verdade que novos espaços estão sendo construídos, mas ainda assim não atinge as expectativas dos alunos e dos próprios funcionários, pois há reclamações com relação à estrutura até mesmo em cursos já existentes.

O recém aprovado em Engenharia da Computação, José Augusto Vasconcelos Júnior, espera que o curso escolhido possa ajudá-lo a conquistar objetivos, tendo em vista o sucesso profissional. “É um curso novo, e se a Universidade ofereceu, espero que esta tenha estrutura o suficiente para mantê-lo, afinal a UFS encontra-se em obras. Mas infelizmente tenho consciência de que a realidade não é essa.”, afirma o calouro.

Ainda em relação à infraestrutura da UFS, o aprovado José Augusto está confiante no sucesso do curso. “E por ser um curso novo ainda precisa se estruturar, mas nada que bons profissionais e responsáveis pela área trabalhem para a evolução correta deste, facilitando a vida dos estudantes e professores e contribuindo para o próprio desenvolvimento da instituição”, comenta.

A estudante do curso de Nutrição Bárbara Lúcia Fonseca Chagas, também faz suas reclamações relacionadas à estrutura da entidade. “A Universidade realmente deve ser ampliada, deve oferecer novos cursos e mais vagas, mas para a realização disso é necessário em primeiro lugar ter estrutura pra crescer com sucesso. Dessa maneira, acredito que a UFS ainda não possui estrutura pra novos cursos e mais vagas, pois há momentos em que não se tem professores especializados e laboratórios da área”, comenta a veterana.

 

Inauguração dos novos cursos contrasta com falta de estrutura na UFS

Posted in Vestibular by micheletavares on 14/01/2009
Por Iracema Sant´Anna e Juacy Júnior
A UFS oferece 87 opções de cursos de graduação, que contam com 11.278 alunos matriculados, e disponibiliza 2.010 vagas anuais, através do concurso vestibular. A Universidade amplia nos últimos anos mais cursos e mais vagas. No vestibular de 2009 foram inseridos mais três novo cursos: Publicidade e Propaganda, Relações Internacionais e Engenharia da Computação.
Em cursos também recém lançados como Fisioterapia, há reclamações de falta de estrutura. Até cursos que existem há anos também há reclamações.  A Instituição possui um programa de extensão, mas se não há estrutura para os cursos e vagas já existentes, como suprir as demandas de novos cursos e novas vagas?
O aluno do curso de Física Médica, Luiz Felipe, diz que sofria com a falta de estrutura, como a falta de centro acadêmico, de professores especializados na própria área de Física Médica. “Ampliar a universidade é sempre muito importante, mas você tem que ter estrutura pra crescer senão a instituição começa a inchar. A UFS não tem estrutura para novos cursos e vagas, e nem para os próprios cursos e vagas já existentes”, comenta.
A aluna do curso de Fisioterapia, Luana Amorim D´Almeida, que faz parte da primeira turma, diz que o curso não correspondeu às expectativas. “Embora já tenha entrado receosa por se tratar de um curso novo, eu esperava que a coordenação se empenhasse mais para suprir a falta de estrutura”, revela.
O recém aprovado no curso de Relações Internacionais, Paulo Vítor Macedo, espera conquistar os objetivos que tem em mente por meio do curso. “Com relação à estrutura do mesmo, estou um tanto receoso, tendo em vista alguns impasses que ainda ocorrem para que tudo funcione corretamente. Mas não há nada de anormal nisso, pois se trata de um curso novo que precisa se estruturar, o futuro e o presente de cada curso dependem de muitas variáveis, e cabe aos responsáveis sobre cada uma delas trabalhar corretamente para que a universidade como um todo evolua de maneira correta”, acredita.

UFS divulga lista dos Pré-Classificados do Vestibular 2009

Posted in Vestibular by micheletavares on 23/12/2008

Por Andreza Lisboa e Bárbara Nascimento

A CCV é o órgão responsávelpor divulgar a lista dos aprovados no vestibular

O CCV é o órgão responsável por divulgar a lista dos aprovados no vestibular

Uma grande expectativa tomou conta nesta sexta-feira, 19, de 48.000 mil estudantes que estavam à espera da pré-classificação do Concurso Vestibular da Universidade Federal de Sergipe (UFS) para ingresso em 2009. Às 15 horas, as listas dos candidatos pré-selecionados dos campi de São Cristóvão, Laranjeiras e Itabaiana foram divulgadas. Dos 8.890 candidatos somente metade (4.445) conseguirá ocupar as vagas dos 87 cursos oferecidos pela instituição.

Para garantir a vaga, o estudante terá sua média da bateria de provas, referentes aos três anos do ensino médio, somada à nota da redação que é avaliada por uma banca examinadora norteada pelos critérios básicos de produção textual como coesão, coerência, distribuição das idéias.

A preocupação da Coordenação do Concurso Vestibular (CCV) em antecipar a divulgação das listas foi cumprida, apenas oito dias após a última prova do concurso; em outros anos, a diferença chegou a pontuar 12 dias. A CCV e os candidatos também puderam usufruir de mais uma ferramenta nesta divulgação, além do site(www.ccv.ufs.br), a Rádio UFS (FM 92,1), que opera em caráter experimental, também foi parceira na transmissão da pré-classificação.

Segundo a Coordenação do Concurso, a expectativa daqueles que já estão com um pé dentro da universidade deve acabar entre os dias 29 e 30 de dezembro, possíveis datas para o lançamento ao público do resultado final. “Seria bom que o resultado final saísse ainda nesse ano, com certeza diminuiria a ansiedade. Agora, desde quando tenha condição de corrigir a tempo as redações e avaliar direito cada candidato”, disse a pré-classificada do curso de Odontologia Maria Camila Andrade.

Implantação do sistema de cotas sugere divergência de opiniões

Posted in Vestibular by micheletavares on 22/12/2008

Por David Farias e Jackeline Guimarães

A partir do próximo ano, entra em vigor na Universidade Federal de Sergipe (UFS) o sistema de cotas que prevê a oferta de 50% das vagas da instituição para os alunos de escola pública. Destes, 75% dos estudantes que se declararem afro-descendentes, pardos ou indígenas terão direito ao ingresso na universidade com uma pontuação abaixo da média de corte usada para os demais estudantes.

Essa notícia, porém, causou muita discussão, principalmente entre os alunos que pretendem participar do Concurso Vestibular em 2010. E para aqueles que já ingressaram na UFS, o alívio por já ter garantido a vaga na instituição.

Como forma de minimizar a exclusão dos alunos da rede pública, alguns acham que foi uma medida justa, haja vista que boa parte das vagas acabam sendo preenchidas por alunos do ensino privado, cuja equipe pedagógica oferece mais recursos para preparação dos candidatos. Já outros acreditam que a adoção do sistema de cotas servirá apenas para segregar e atenuar a qualidade do ensino da instituição.

Para o estudante de Letras e presidente do Diretório Central do Estudantes (DCE), Nathan Alves, o sistema de cotas é uma medida eficaz, apesar do seu caráter paliativo. “Estamos falando aqui de uma medida que tem um período experimental de dez anos e que trará benefícios, sim. Na Universidade de Brasília(UnB), por exemplo, os estudantes que ingressaram na instituição através do sistema de cotas tiveram desempenho igual ou acima da média, com exceção dos estudantes de exatas. As cotas não querem segregar ninguém, somente dar oportunidade aos que não tiveram”, defende.

Já o estudante do Curso de Comunicação Social, Diógenes de Souza, rebate a estrutura que a UFS possui para assistir aos alunos cotistas.“O processo de inserção das cotas aparenta ser realizado à revelia, de qualquer jeito. Aumenta-se o ingresso dos alunos, em detrimento da assistência estudantil, priorizando apenas a quantidade de alunos que ingressam na instituição, reduzindo, assim, a qualidade do ensino público”, contesta.

Matriculada em uma escola da rede pública da capital, a estudante da 2ª série do Ensino Médio, Adriana Santos, 25 anos, acredita que o sistema de cotas não influenciará no desempenho dos alunos que se utilizarão dele para entrar na universidade. “Só acho que, pelo fato dos estudantes de escolas públicas possuírem uma relativa desvantagem em relação às escolas particulares, eles estão suscetíveis a terem dificuldade em acompanhar os conteúdos acadêmicos, mas nada que a força de vontade e a persistência não superem”, diz.

Com uma visão mais otimista em relação ao projeto, Matheus Guimarães, aluno de uma escola da rede particular de ensino, com tradição em aprovações no Concurso Vestibular, pondera: “Se for mesmo uma medida a curto prazo, acho que é válido, sim. Se só ficar nisso é que não será suficiente. O melhor mesmo seria investir em uma Educação Básica de qualidade”, finaliza.

Vestibular da UFS atrai candidatos de vários estados brasileiros

Posted in Vestibular by micheletavares on 22/12/2008

Por Adriana da Rosa, Laura Borges, Samara Menezes, Marta Costa

O número de alunos provenientes de outros estados brasileiros cresce cada vez mais na Universidade Federal de Sergipe (UFS). A grande oferta de cursos e a baixa concorrência têm atraído estudantes de varias partes do país. Com apenas 40 anos de existência, o vestibular da UFS é escolhido na maioria das vezes por esta ser uma das poucas instituições de ensino superior do país que até então, ainda não tinha aderido ao sistema de cotas.

A facilidade de ser aprovado na Universidade Federal de Sergipe é determinante para que vestibulandos de estados vizinhos escolham o Estado como leito acadêmico. Para alguns alunos  do estado da Bahia, o concurso vestibular oferece grande diversidade de cursos e baixa concorrência. “Na UFS é muito mais fácil de passar, a concorrência é baixa, não existia cotas e a cidade é calma. Além de ser uma ‘Federal’, exalta Allana Rafaela, estudante do 2º período, do Curso de Comunicação Social.

O processo de seleção da Universidade Federal é realizado pela Fundação Carlos Chagas que elabora há anos a prova da instituição. São quatro dias de provas, sendo os três primeiros destinados à realização dos exames relativos ao conteúdo programático do 1º, 2º e 3º anos do ensino médio, e no último dia, os candidatos fazem a prova de redação que tem caráter eliminatório.

Além da ampliação do número de vagas de alguns cursos já existentes, o Concurso Vestibular 2009 da instituição aposta na entrada de novos cursos como Publicidade e Propaganda, Relações Internacionais e AudioVisual. Em uma avaliação realizada pelo Governo Federal, a entidade cresceu 342% desde 2006 quando começou o seu projeto de expansão.

A partir de 2010, a meta é ampliar ainda mais o número de alunos matriculados, pois a Universidade Federal de Sergipe adotará o sistema de cotas como projeto de inclusão social. Do total de vagas ofertadas, 50% serão oferecidas para o sistema de cotas, sendo que 70% deste percentual de cotas será destinado a alunos que se declararem negros, pardos ou índios. O projeto terá validade por dez anos.

Cursos de dicas atraem candidatos de concursos vestibulares

Posted in Vestibular by micheletavares on 16/12/2008

Por Adriana da Rosa e Samara Menezes.

Durante os meses que antecedem os maiores vestibulares do Estado de Sergipe, realizados no inicio de dezembro pela Universidade Federal de Sergipe e pela Universidade Tiradentes, os principais cursinhos de pré-vestibular da capital apostam em revisões e dicas finais para os alunos que pretendem ingressar nas instituições de ensino superior.

O período de revisões e dicas que normalmente acontece em novembro, é promovido pelos cursinhos de pré-vestibular e tem como objetivo, relembrar os conteúdos ensinados durante o ano e solucionar possíveis dúvidas dos alunos.

Com a proximidade das provas em alguns cursos o número de estudantes aumenta bastante. Neste período, quase dois mil alunos freqüentam as aulas de revisão. Nas quais o candidato testa seus conhecimentos e avalia qual matéria precisa revisar mais. Além disso, as revisões e simulados testam o psicológico e estimulam a adrenalina muito exaltada nos dias das provas.

A procura por esses cursos pode ser justificada pelo tempo de disponibilidade do estudante e também pelo reforço oferecido nas aulas. “Os alunos procuram os cursos de dicas, por ser a maneira mais fácil de passar o assunto de ultima hora”, relata o estudante Fabrício Feitosa de 19 anos. “Para uma pessoa como eu que trabalha durante o ano todo e não tem tempo para estudar as dicas são muito úteis, por estar mais recente fixa-se melhor na memória” afirma o estudante Bruno Santos de 23 anos, aluno do Sala 1 pré-universitário.

Para que o aluno assimile melhor a matéria, os professores oferecem aulas dinâmicas e extrovertidas. Fernando Souza, docente de um curso pré-vestibular da capital, reconhece a eficácia das revisões mas recomenda o acompanhamento das aulas desde o inicio do ano letivo. “É importante revisar e aprender algumas dicas, mas para que o aluno sinta-se mais seguro e confiante e para obter um excelente resultado nas provas aconselhamos buscar os cursos a partir do inicio do ano”, finaliza o professor.